terça-feira, 18 de setembro de 2012

Pentecostalismo. Como Tudo Começou.

O Pentecostalismo não surgiu com o Cristianismo.
Templo da Rua Azusa
Rua Azusa, 312
Los Angeles – Califórnia (USA)
 

Muitos hoje em dia pensam que o Pentecostalismo surgiu junto com os Atos dos Apóstolos ou com a propagação do Cristianismo pelo mundo através das pregações de Paulo de Tarso ou ainda com a expansão do Cristianismo Protestante, mas não foi assim. O Pentecostalismo surgiu em uma reunião a 14 de Abril de 1906 na Rua Azusa, 312 em Los Angeles – Califórnia (USA), em um templo abandonado da Igreja Metodista Episcopal Africana. Esse episódio ficou conhecido pelo nome de “O Reavivamento da Rua Azusa”  e foi caracterizado por experiências de êxtase espiritual acompanhadas por falar em línguas estranhas, cultos de adoração, e mistura Inter-racial.  Todos os seus participantes foram criticados pelas igrejas da época e teólogos cristãos, por considerarem o comportamento escandaloso e nem um pouco tradicional, assemelhando-se em muito a ritos e cultos africanos não cristãos. Essa reunião foi  liderada por William Seymour, um pregador afro-americano.

William_seymour
William Joseph Seymour
William Joseph Seymour:

Nasceu na Cidade de Centerville, Estado da Louisiana – EUA em  2 de Maio de 1870. Morreu em 28 de Setembro de 1922.

Filho de ex-escravos católicos, converteu-se à Igreja Batista ainda na juventude.

Em 1895 mudou-se para Indianápolis e foi trabalhar como garçom e depois conseguiu um trabalho como representante comercial. Em Indianápolis passou a frequentar a Igreja Metodista Episcopal, basicamente uma igreja cristã frequentada por  negros. (o segregacionismo americano era muito forte nesta época).

Charles parham
Charles Fox Parham
Em 1905, mudou-se para Houston - Texas onde matriculou-se na recém-fundada escola bíblica de Charles Fox Parham, assistiu as aulas sentado em uma cadeira colocada no corredor, por ser negro. Nesta escola ele obteve seu primeiro contato com o Movimento Holiness (seria inapropriado aqui interromper para explanar sobre este movimento; portanto ao final deste post haverá uma descrição extraída da Wikipédia a respeito deste movimento) e passou a acreditar em glossolalia, popularmente conhecido hoje em dia como “falar em línguas”.

Mudou-se depois para Los Angeles na Califórnia onde passou a pregar como pastor em uma igreja da cidade, mas foi expulso da  mesma por começar a pregar a mensagem de reavivamento e batismo no Espírito Santo.

Igreja da Rua Azusa
Rua Azusa, 312
Los Angeles – Califórnia (USA)
 
Sem ambiente nas igrejas tradicionais existentes, passou a procurar um lugar para continuar seu trabalho. Não conseguindo, ele fundou sua própria igreja num templo abandonado da Igreja Metodista Africana em Los Angeles, localizada na Azusa Street (Rua Azusa).

O Reavivamento da Rua Azusa:

Então os “cultos” do “pastor” William Seymour absolutamente fora dos padrões existentes começaram a atrair fiéis e ficou sendo conhecido por Reavivamento da Rua Azusa e logo foi noticiado pelos jornais.

Em 18 de abril de 1906 o jornal Los Angeles Times publicou uma extensa matéria sobre o Reavivamento da Rua Azusa, que em tom de denuncia foi considerado como sendo uma nova seita, onde fiéis compostos em sua maioria por negros e imigrantes pobres se dizendo movidos pelo Espirito Santo de Deus se manifestavam em línguas estranhas, denominado glossolalia, e também a operação de curas e milagres.

Em busca de “milagres”, curas e acontecimentos “extraordinários” foram se chegando pessoas pobres de cor branca o que era bem raro em “cultos” religiosos em igrejas “de negros” (peço antecipadamente perdão se pareço “racista” ao descrever os fatos, mas era assim naquela época nos Estados Unidos). Além do fato de terem se aproximado brancos para a sua “igreja”, uma atitude ajudou a popularizar os cultos: a admissão de mulheres em todas as posições dentro da organização, desde administrativa quanto até mesmo posições de destaque no púlpito.

A sociedade da época (religiosa ou não) identificou imediatamente o Reavivamento da Rua Azusa com Cultos Africanos (ou Afro-Americanos), se a prática de cultos africanos já não era bem vista pela sociedade segregacionista Norte-Americana, que dirá um sincretismo com o cristianismo protestante.

Os “cultos” de reavivamento duraram apenas 3 anos, de 1906 a 1909 e essas práticas foram investigadas pelas outras congregações cristãs protestantes, na pratica, foram condenadas por todas elas, por serem heréticas; porém algumas congregações, aceitaram a “novidade” e repassaram para suas igrejas.

A novidade, por falta de outro nome ficou conhecida por Pentecostalismo. Uma referencia a passagem bíblica em Atos dos Apóstolos Capítulo 2.

O Pentecostes no Novo Testamento:

Pentecostes: Em grego significa “quinquagésimo” (dia). Pentecostes é o mesmo que “festa da messe” celebrada pelos judeus 7 semanas após a Páscoa, no 50º dia.

Atos dos Apóstolos Capítulo 2 Versículo 1 ao versículo 4:

“…Chegando o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar. De repente veio do céu um ruído, como se soprasse um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam sentados. Apareceram-lhes então uma espécie de línguas de fogo que se repartiam e repousaram sobre cada um deles. Ficaram todos cheios do Espírito Santo, e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito Santo, lhes concedia que falassem…”

O texto refere-se obviamente aos Apóstolos de Cristo que estavam em Jerusalém logo após a morte e ressurreição de Jesus.

Continuando em Atos dos Apóstolos Capítulo 2 Versículo 5 ao versículo 13:

“…Achavam-se então em Jerusalém judeus piedosos de todas as nações que há debaixo do céu. Ouvindo aquele ruído, reuniu-se muita gente e maravilhava-se de que cada um os ouvia falar na sua própria língua.

Profundamente impressionados, manifestavam a sua admiração: “Não são por ventura galileus todos estes que falam? Como então todos nós os ouvimos falar, cada um em nossa própria língua materna?

Partos, medos, elamitas, os que habitam a Mesopotâmia, a Judéia, a Capadócia, o Ponto, a Ásia, a Frígia, a Panfília, o Egito, e as províncias da Líbia próximas a Cirene, peregrinos romanos, judeus ou prosélitos, cretenses e árabes, ouvimo-los publicar em nossas línguas as maravilhas de Deus!” Estavam, pois, todos atônitos e, sem saber o que pensar, perguntavam uns aos outros: “Que significam essas coisas?” Outros porém, escarnecendo, diziam: “Estão todos embriagados de vinho doce.”

Discurso de Pedro durante o evento ocorrido em Pentecostes; Atos dos Apóstolos Capítulo 2 Versículo 14 ao 21:

pentecostes fogo
O Pentecostes Bíblico
“Pedro então pondo-se de pé em companhia dos 11 (Matias havia sido eleito como Apóstolo para substituir Judas Iscariotes N.A.), com voz forte lhes disse:”

“…Homens da Judéia e vós todos que habitais em Jerusalém: Seja-vos isto conhecido e prestai atenção às minhas palavras. Estes homens não estão embriagados, como vós pensais, visto não ser ainda a hora terceira do dia. Mas cumpre-se o que foi dito pelo Profeta Joel: Acontecerá nos últimos dias – É Deus quem fala – derramarei do meu Espírito sobre todo o ser vivo: Profetizarão os vossos filhos e vossas filhas. Os vossos jovens terão visões, e os vossos anciãos sonharão. Sobre os meus servos e sobre as minhas servas derramarei naqueles dias do meu Espírito e profetizarão. Farei aparecer prodígios em cima do céu e milagres embaixo da terra: Sangue, fogo e vapor de fumaça. O sol se converterá em trevas e a lua em sangue antes que venha o grande e glorioso dia do Senhor…” .

O Príncipe dos Apóstolos refere-se a Joel Capítulo 3 versículos de 1 a 5; e o discurso de Pedro continua, porém não tendo mais objetivo para o texto aqui exposto.

Bom, podemos observar os seguintes pontos em Atos dos Apóstolos:

  1. O Espírito Santo desceu em forma de línguas de fogo sobre OS APÓSTOLOS (Incluindo Matias recentemente inserido no grupo) e não sobre a assistência. Ao contrário, as pessoas que ali estavam, nem ao menos entenderam o que estava acontecendo, e alguns julgando que os Apóstolos estariam bêbados de vinho doce.
  2. Em nenhum momento falaram em “línguas” angelicais, idiomas “querubínicos” ou coisa que o valha. Os idiomas que os Apóstolos começaram a dominar repentinamente após a intervenção do Espírito Santo eram línguas conhecidas no mundo, ainda que pudessem não ser do conhecimento da audiência lá presente muito menos dos próprios Apóstolos é claro. Uma pessoa que nunca aprendeu a falar grego, alemão ou sânscrito e após a influência do Espírito Santo começa a falar esses idiomas, isso é glossolalia; agora a pessoa que após um “culto” começa a falar: rrrgggtryyuitffff, ghreywisnebrbfd, klgkgjjrjfjjkflllg, não passa de: Delírio (o mais comum), mentira, êxtase (muito tempo sem ingerir proteínas, “louvando” por muito tempo com um “pastor” picareta que conhece técnicas de indução e hipnose coletiva; o ÊXTASE neste caso não tem nada a ver com Deus, Jesus Cristo ou o Espírito Santo e sim com uma condição médico-patológico muito bem conhecida e documentada. Vide os “cultos” das seitas que se dizem evangélicas chamadas de “cai-cai” onde pessoas durante o suposto culto a Deus e a Jesus caem pelo chão, imitam animais diversos etc.. Deus não precisa de ninguém relinchando como um cavalo para louva-lo.
  3. A primeira parte do discurso de Pedro, trata-se de uma profecia feita por Joel; esta profecia não se refere a assistência lá presente, muito menos para nós nos dias atuais, do contrário todos nós nos tornaríamos profetas, santos e veríamos nos céus milagre e prodígios por toda a parte.
  4. O Espirito Santo não confere esses poderes em nenhum culto Pentecostal (muito menos na TV), a menos que me mostrem pessoas falando alemão, mandarim ou grego de uma hora para outra. Qualquer coisa neste sentido não passa de enrolação. O que se vê nesses cultos são pessoas emitindo sons que não querem dizer absolutamente nada.
Como tudo começou:

Como William Seymour começou a praticar o tipo de culto chamado de pentecostal:

Avivamento de Gales
Avivamento de Gales
Em 1904 aconteceu no País de Gales (Reino Unido) um evento conhecido como Avivamento de Gales, aproximadamente 100.000 pessoas se reuniram em um culto ao ar-livre; foi um acontecimento muito emocionante e por que não dizer eletrizante; logo surgiram os burburinhos e boatos de que seria este evento um sinal do cumprimento das palavras do Profeta Joel. (citado acima, no discurso de Pedro). Obviamente não foi.  Não foram vistos prodígios em cima do céu nem milagres embaixo da terra; tão pouco Sangue, fogo e vapor de fumaça. O sol não se converteu em trevas e a lua em sangue. Acontece, que essas coisas só acontecerão (confirmada a profecia de Joel) quando  “…venha o grande e glorioso dia do Senhor…”

Mas, criadores de seitas não estão preocupados com detalhes deste tipo.

O fato é que Joseph Smale, pastor da Primeira Igreja Batista em Los Angeles, foi  a Gales para testemunhar o avivamento.

Quando Joseph Smale retornou do Reino Unido para Los Angeles ele tentou convencer sua igreja de que a profecia de Joel estava se concretizando; não conseguiu, os membros de sua congregação sabiamente não se convenceram de tal possibilidade.

Joseph Smale fez como adolescente contrariado, largou sua igreja, e fundou uma para si, com pessoas que acreditassem em suas ideias. Sendo assim, fundou a Primeira Igreja do Novo Testamento e continuou a tentar convencer fiéis de que o Dia da Vinda do Senhor estava próximo conforme Joel havia vaticinado.

Neste mesmo período houve, outras experiências de avivamento com menor importância no Texas, Minnesota e Carolina do Norte.

Em 1905 “pipocou” ali e acolá relatos de “falar em línguas” e “curas sobrenaturais”; lembre-se, tudo começou com uma reunião no País de Gales que ao fim das contas não deu certo visto que a profecia de Joel não se cumpriu.

Foi neste contexto que Seymour começou a pregar as suas teorias. Por si só a ideia de um pastor pregar suas próprias ideias já não é uma “boa ideia” (perdoem-me o trocadilho) um pastor (padre ou qualquer tipo sacerdote cristão deveria pregar o Evangelho e não suas próprias ideias).

Em uma das pregações de Seymour em Houston, estava presente uma senhora chamada Neely Terry.

Neely era uma afro-americana, (assim como Seymour) de Los Angeles que frequentava uma pequena igreja liderada por uma senhora chamada Julia Hutchins; a bem da verdade não era uma igreja como entendemos hoje, era pouco mais que uma casa onde as pessoas se reuniam com suas Bíblias, liam um ou outro capítulo, havia ou não uma “pregação” feita por um membro (pastor ou não) cantavam hinos e saiam satisfeitas.

Tendo Neely Terry assistido um dos “cultos” de Seymour em Houston, onde ele pregou que a maior prova do batismo no Espírito Santo era o “falar em línguas”, (claro que não é, inclusive está no Novo Testamento) embora William Seymour mesmo, nunca houvesse “falado em línguas” (Jesus Cristo que foi batizado no Espírito Santo [episódio com João no Rio Jordão etc.], não falava em línguas, e que se saiba ninguém foi mais cheio do Espírito Santo que ele).

Terry ficou tão impressionada com a pregação de William Seymour que quando voltou para sua casa na Califórnia, sugeriu que Seymour fosse convidado a falar na “igreja” da Sra. Hutchins.  Seymour aceitou o convite em fevereiro de 1906. Ele recebeu ajuda financeira de seu professor Charles Parham para a viagem e assim foi de Houston – Texas, para Los Angeles - Califórnia.

Em 22 de fevereiro de 1906, Seymour chegou a Los Angeles. Por dois dias pregou na “igreja” de Julia Hutchins na esquina da Rua 9ª com a Avenida Santa fé.

Seu  primeiro “sermão’, pregou que “falar em línguas” era uma evidência bíblica do  batismo no Espírito Santo.

No domingo seguinte, 4 de março, ele voltou a igreja. Sabiamente a Sra. Hutchins trancou a porta de sua “igrejinha” com um cadeado.

Os mais  velhos e experientes membros da igreja da Sra.  Hutchins não aceitaram os ensinamentos de Seymour, até porque ele não havia experimentado nenhuma das bênçãos das quais estava pregando.

A Associação das Igrejas de Santidade do Sul da Califórnia, na qual a igreja da Sra. Julia Hutchins estava filiada, também condenou a pregação de Seymour.

Mesmo assim, William Seymour foi convidado para se hospedar na casa do Sr. Edward S. Lee, um membro da congregação, e ali ele começou a fazer estudos bíblicos e reuniões de oração.

Casa na rua bonnie brae
Rua Bonnie Brae, 214
Los Angeles - Califórnia
Formou-se um pequeno grupo ao redor de William Seymour ávidos por “sinais” das profecias de Joel, “milagres”, pessoas “falando em línguas” e toda a sorte de maluquices que nada tinha a ver com o Evangelho. Sendo assim mudou-se para a casa de Richard e Ruth Asberry, na Rua Bonnie Brae, 214 (Los Angeles – Califórnia); até então, 99% de seus ouvintes eram de negros, pobres e ignorantes, mas ao mudar suas “pregações” para o novo local, começaram a frequentar algumas famílias  de brancos, igualmente pobres e ignorantes.

O grupo se reunia sistematicamente e “orava” pelo “batismo no Espírito Santo” (veja bem que a essa altura, Seymour e seus seguidores já haviam fugido completamente do Evangelho e da doutrina cristã).

Em 9 de abril de 1906, depois de 35 dias de “pregação” e de “oração” de William Seymour, no terceiro dia de um jejum de 10 dias, o dono da casa Edward S. Lee “falou em línguas” pela primeira vez; quer dizer ficou balbuciando palavras incompreensíveis; e, isso não é dom do Espírito Santo, aliás não tem sentido algum do ponto-de-vista bíblico (lembre-se, os Apóstolos quando iluminados pelo Espírito Santo falavam idiomas desconhecidos para quem estavam nas proximidades, porém falavam línguas existentes, grego, latim, sírio, etc.).

Symour e Janne
William e Jennie Seymour     
Aproveitando o acontecido com o dono da casa, Seymour contou aos seus fiéis o que aconteceu transformando em “testemunho” o ocorrido com Lee e pregou um sermão tentando ligar o ocorrido aos eventos relatados nos Atos dos Apóstolos, assim, também outras seis pessoas começaram a “falar em línguas”, incluindo Jennie Moore, que mais tarde se tornaria sua esposa. (abriram a porteira para satanás entrar).

Em 12 de abril, Seymour “falou em línguas” pela primeira vez, depois de “orar” toda a noite (entrou em transe assim como os outros).

As notícias dos acontecimentos na Rua Bonnie Brae, rapidamente espalharam-se como fogo em rastilho de pólvora entre os afro-americanos, latinos e alguns brancos residentes na cidade de Los Angeles; durante várias noites, muitos oradores pregariam (veja que qualquer um poderia “pregar” nestas reuniões) para a multidão de curiosos e espectadores interessados no que se passava na varanda da casa da família Asberry.

A esta altura, parte do público incluía pessoas de um amplo aspecto de níveis de renda e formação religiosa. Hutchins (a “dona” da “igrejinha” lembra?) acabou falando em línguas quando toda a sua congregação começou a frequentar as reuniões. Logo o grupo (cerca de 30 ou 40 pessoas) se tornou muito grande e quase todos estavam “falando em línguas”, gritando, cantando e gemendo. Finalmente, a varanda caiu (desabou mesmo), forçando o grupo a buscar um novo lugar de reunião. (alguns dias antes da varanda cair, a fundação da casa já havia cedido e a casa quase desabou).

Templo da Rua Azusa
Rua Azusa, 312
O grupo de  Seymour da Rua Bonnie Brae acabou encontrando um edifício disponível na  Rua Azusa, 312 que tinha sido uma Igreja Episcopal Metodista Africana onde era então uma parte do gueto negro da cidade. O aluguel era de US$ 8,00 por mês.

Um jornal de Los Angeles da época se referiu ao prédio como um "barraco capenga."

Desde que a congregação da Igreja Episcopal Metodista Africana, abandonou o edifício o mesmo serviu como loja  atacadista, um depósito, uma madeireira, um curral de gado, uma loja de lápides, e havia sido usada mais recentemente como um estábulo com quartos para alugar no segundo andar.

Era um edifício pequeno, retangular de teto plano, de aproximadamente 18 m de largura e 12 m de comprimento, em sua totalidade de 446,52 m², coberta com ripas caiadas. O único sinal de que já tinha sido uma igreja era uma janela de estilo gótico sobre a entrada principal. Havia sobras de madeira e gesso que estava espalhado por todos os lados, o local parecia um galpão no andar térreo. No entanto, o local foi checado (para ver se havia risco de desabamento) e limpo para a preparação dos serviços.

Em 14 de Abril de 1906, eles realizaram sua primeira reunião. Os “cultos” ocorreram no primeiro andar, onde bancos foram colocados em um padrão retangular. Alguns dos bancos eram simplesmente tábuas colocadas em cima de barris vazios. Não havia nenhuma plataforma elevada (púlpito), pois o pé direito tinha apenas dois metros de altura.

Agora as reuniões passaram a ter um templo e a nova “igreja” passou a ser chamada de Missão de Fé Apostólica e abrigava uma oficina e quartos para vários residentes como o próprio William Joseph Seymour e sua nova esposa, Jennie (lembra de algo dos dias atuais? Não? Ele chegou lá com o dinheiro da passagem dado por seu ex-professor, não tinha onde dormir; agora já tem quarto, esposa e obviamente dinheiro para mante-la). Também tinha uma grande sala de oração para atender o excesso de pessoas do altar de baixo. Na sala de oração havia cadeiras e bancos feitos de tábuas, postos de ponta a ponta como cadeiras sem encosto.

Em maio de 1906, entre 300 e 1.500 pessoas tentaram se acomodar no prédio; (o núcleo básico da “Missão da Rua Azusa”, nunca foi muito mais além do que 50 ou 60 indivíduos), como os cavalos tinham recentemente saído do edifício (o prédio vinha sendo usado como estábulo lembra?), as moscas constantemente incomodavam os assistentes. Todo o tipo de pessoas, se reuniam para “adorar”: homens, mulheres, crianças, negros, brancos, latinos, asiáticos, ricos, pobres, iletrados, e letrados. A mistura de raças e a motivação do grupo de mulheres na liderança foi importante (mulheres em posições de liderança em igrejas era pouco comum e em algumas congregações até proibido), já que 1906 estava no auge da segregação racial, e quatorze anos antes das mulheres receberem o direito a voto nos Estados Unidos.

Os “cultos” na rua Azusa 312 eram frequentes e espontâneos, com serviços em quase todas as horas (assim como muitas “igrejas evangélicas” pentecostais fazem hoje em dia). Entre os que foram atraídos ao avivamento não só estavam os membros do Movimento de Santidade, mas batistas, menonitas, quakers e presbiterianos.

O jornal Los Angeles Times publicou:

“As reuniões se realizam num barraco condenado na rua Azusa, e os partidários desta estranha doutrina praticam os mais fanáticos ritos, pregam as teorias mais loucas e eles mesmos funcionam num estado de louca excitação em seu zelo peculiar. Gente de cor e uns quantos brancos compõem a congregação, e a noite se torna horrorosa no bairro por causa dos uivos dos fiéis, que passam horas se balançando para frente e para trás numa exasperante atitude de oração e súplica. Eles dizem ter o "dom de línguas" e ser capazes de entender este babel.”

O ex-professor e mentor de William Seymour, Charles Parham também não poupou críticas:

“Homens e mulheres, brancos e negros, se ajoelham juntos ou caem uns sobre os outros; uma mulher branca, talvez com riqueza e cultura, podia se ver lançada aos braços de um 'homem negro', e permanecia firmemente assim se estremecendo e sacudindo em uma louca imitação do pentecostes. Horrível, uma vergonha terrível!”

Em uma reportagem de primeira página intitulada "A Babel de Línguas Estranhas", um repórter do jornal Los Angeles Times relatou o que viu e ficou conhecido como Reavivamento da Rua Azusa:

"Suspirando expressões estranhas e pronunciando um credo que ao que parece nenhum mortal são pode entender".

Continua a reportagem:

"a mais recente seita religiosa teve início em Los Angeles"

Outro repórter de um jornal local em setembro de 1906 descreveu os acontecimentos com as seguintes palavras:

“... infame miscigenação de raças... elas choram e ficam uivando todo dia e noite. Correm, pulam, todas se sacodem, gritam com toda a sua voz, giram em círculos, caem se sacudindo no chão coberto de serragem, chutando e rolando tudo sobre si. Alguns desmaiam e não se movem durante horas como se estivessem mortos. Essas pessoas parecem estar loucas, mentalmente perturbadas ou sob um feitiço. Elas afirmam estar cheias do espírito. Elas têm um negro caolho e iletrado como o seu pregador que fica de joelhos a maior parte do tempo com a cabeça escondida entre as caixas de leite de madeira. Ele não fala muito, mas às vezes ele pode ser ouvido gritando 'arrependei-vos', e ele acha que está fazendo isso... Eles cantam repetidamente a mesma canção, 'O Consolador Chegou”

Em Outubro de 1906, Charles Parham foi convidado a falar em uma série de reuniões na Rua Azusa, foi dispensado rapidamente. Muitas razões podem ser dadas para ter sido “cortado” da Rua Azusa. Em primeiro lugar, Parham tinha conflitos pessoais com Seymour e poderia ter querido assumir como figura central do movimento que estava ganhando vulto.

Outra hipótese, seria a de que Charles Parham  querer organizar as coisas e separar o que era genuíno do que era histeria coletiva.

Milhares foram assistir aos cultos na Rua Azusa, porém, o núcleo básico, nunca foi muito maior que 50 seguidores.

Essas são as 5 crenças básicas de Seymour e seus seguidores; delas surgiram todas as outras seitas ditas “evangélicas” Pentecostais.
  1. Salvação por fé.
  2. Santificação (ou santidade) do crente.
  3. “Falar em línguas” como evidência de Batismo  do Espírito Santo.
  4. Cura como parte da redenção.
  5. O "iminente" retorno de Cristo.
Vejamos:
  1. Salvação pela fé.
A Salvação só existe através de Jesus O Cristo.

    2. Santificação (ou santidade) do crente.

Santidade significa pureza. É um pouco difícil a ideia de pureza caindo no chão gemendo, ou rebolando e falando blá blá blá.

   3. Falar em línguas como evidência de Batismo do Espírito Santo.

Jesus O Cristo foi batizado com o Espírito Santo e saiu do batismo do Rio Jordão falando a mesma língua de quando entrou no rio. Os Anjos de Deus quando se manifestaram aos homens falaram no idioma das pessoas as quais se dirigiam. O próprio Deus Todo Poderoso se dirigiu a Moisés no seu idioma e todas as vezes que O Altíssimo se dirigiu a alguém, usou do idioma que essas pessoas falavam. Paulo dizia que o dom de falar em línguas era a menor de todas as graças.

   4. Cura como parte da redenção.

A Redenção se dá única e exclusivamente através de Jesus O Cristo, em nenhuma outra ação, dom, graça, cura, idioma falado. A REDENÇÃO SÓ SE DÁ ATRAVÉS DE JESUS CRISTO!
5. O "iminente" retorno de Cristo.
Ninguém sabe quando Jesus voltará a não ser Deus O Pai. Nem profetas (incluindo Joel), nem Anjos, muito menos pastores, bispos, missionários, apóstolos. NEM MESMO JESUS O CRISTO SABIA QUANDO ELE VOLTARIA, OU QUANDO SERIA O DIA DO JUÍZO FINAL.
“…Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos que estão no céu, nem o Filho, senão o Pai…”  Marcos Capítulo 13, versículo 32. 
“…Olhai, vigiai e orai; porque não sabeis quando chegará o tempo…”  Marcos Capítulo 13 Versículo 33.
As palavras acima, foram proferidas por JESUS CRISTO!
Qualquer um, que diga o contrário disto está MENTINDO!

Notícias foram publicadas em todo os EUA e no mundo sobre os acontecimentos estranhos em Los Angeles. Os assistentes das reuniões eram às vezes descritos como: "Roladores Santos", "Saltadores Santos", "Línguas Presas" e "Espiritistas Santos."

Líderes Cristãos de várias denominações e congregações foram críticos ao movimento conhecido como Reavivamento da Rua Azusa, dizendo que o movimento era hiperemocional, que as Escrituras Sagradas eram mal usadas e o foco sobre Cristo foi perdido pela superênfase no Espírito Santo. Em pouco tempo, ministros estavam alertando suas congregações para ficarem longe da Missão da Rua Azusa. Alguns chamaram a polícia e tentaram fazer com que o prédio fosse fechado.

Em 1909 o movimento na “igreja” da Rua Azusa começou a diminuir sensivelmente.

Em 1913, o Reavivamento da Rua Azusa havia perdido o impulso, e por volta de 1915 quase não se falava mais no assunto.

William Joseph Seymour ficou lá no templo da Rua Azusa com sua esposa, Jennie Seymour, pelo resto de suas vidas como pastores da pequena congregação afro-americana; embora muitas vezes ele tivesse feito curtas viagens para tentar estabelecer outros avivamentos (sempre de pequeno porte e sem muito sucesso).

Em 28 de setembro de 1922, morre Seymour (morreu de infarto), Jennie Seymour sua viúva liderou a igreja até 1931, quando a congregação perdeu o prédio da igreja.

A igreja foi demolida (após ter sido tomada devido a uma hipoteca em 1938). Em seu lugar foi construído o Centro Cultural e Comunitário Nipo-Americano de Los Angeles.

Conforme prometido no início do post, eis o resumo sobre o Movimento Holiness:

O Movimento de Santidade (ou também chamado Movimento Holiness) no Cristianismo é um movimento que ensina que a natureza carnal da humanidade pode ser purificada através da fé e pelo poder do Espírito Santo possibilita que seus pecados sejam perdoados através da fé em Jesus Cristo. Os benefícios incluem poder espiritual e uma capacidade para manter a pureza de coração (que foram, pensamentos e motivos corrompidos pelo pecado). A doutrina é tipicamente atribuída nas igrejas de Santidade como total santificação ou perfeição cristã.

O movimento visa promover um cristianismo que é pessoal, prático, muda as vidas, e completamente avivado. As crenças fundamentais do movimento de santidade são regeneração por graça através da fé, com a garantia de salvação pelo testemunho do Espírito Santo, santificação total como uma segunda obra definitiva da graça, recebida por fé, pela graça, e realizada através do batismo e do poder do Espírito Santo, através do qual o crente está habilitado a viver uma vida santa.
No contexto do movimento de santidade, a primeira obra da graça é a salvação do pecado, e que sem nenhum valor de esforço humano pode alcançar a santidade. As pessoas são salvas por graça através da fé em Jesus Cristo, que fez a expiação pelos pecados humanos.

A segunda obra da graça se refere a uma experiência pessoal subsequente à regeneração, na qual o crente é purificado da natureza carnal, e é fortalecido pelo Espírito Santo para levar uma vida santa. Embora possa haver alguns que ensinam que é possível levar uma vida sem pecado, a maioria ensinam que é, ainda possível para os santificados para o pecado, um crescimento na graça depois dessa experiência espiritual, segundo devem lutar pela perfeição.

Grupos pentecostais se identificam como parte do movimento de santidade e acreditam que o poder santificador do Espírito Santo é evidenciado por sinais visíveis exteriormente, como falar em línguas.

A experiência de santificação capacita o crente a viver uma vida santa. A maioria das pessoas do movimento de santidade interpretam isso como viver uma vida livre do pecado intencional ou a prática do pecado. O objetivo é viver uma vida como Cristo, para serem conformes à imagem de Cristo e não do mundo. Dado que a santidade é a obra sobrenatural de um coração transformado pelo Espírito Santo, muitas igrejas têm o cuidado de seguir os princípios morais e que eles percebem com a convicção do Espírito Santo. A maioria dos seguidores do movimento de santidade que, como Cristo disse, enfatizam que o amor cumpre toda a lei de Deus.

Grupos de Santidade tendem a se opor ao antinomianismo, que é uma estrutura teológica que afirma que a lei de Deus é feito com a distância. Grupos de Santidade acreditam que os aspectos morais da lei de Deus são pertinentes para hoje, uma vez que a lei foi finalizada em Cristo. Esta posição não atrai a oposição de alguns evangélicos, que refutam tal atitude ou desprezam. A Reforma (particularmente Calvinista) ensina que os crentes são justificados pela graça através da fé e não através de quaisquer esforços ou estados de espírito da sua parte, que os efeitos da pecado original permanecem mesmo na mais fiel das almas. Batistas e Presbiterianos normalmente possuem uma interpretação diferente da interpretação do Movimento de Santidade no que tange as questões doutrinárias: Santidade e justificação. Ao mesmo tempo, grupos protestantes modernos e liberais (como a Igreja Metodista Unida) tendem a ignorar ou minimizar a doutrina em favor de preocupações sociais e expressões mais recentes da teologia e prática cristã.

Denominações.
  • Igreja Santidade Livre
  • Igreja Wesleyana
  • Igreja Metodista Livre
  • Igreja Evangélica Holiness do Brasil
  • Igreja do Nazareno
  • Exército da Salvação
  • Christian and Missionary Alliance
  • Igreja de Deus em Cristo
  • Igreja de Cristo (Santidade) EUA
  • Churches of Christ in Christian Union
  • Igreja de Deus (Anderson, Indiana)
  • Igreja de Deus (Santidade)
  • Igreja Evangélica Metodista
  • Movimento de Santidade Conservador
  • World Gospel Mission
  • Brunstad Christian Church, também conhecido por alguns como "Smith's Friends"
  • Igreja de Deus (Cleveland, Tennessee)
  • A Igreja de Deus (Charleston, Tennessee)
  • Christ's Sanctified Holy Church
  • The Fellowship (Austrália)
  • Church of Daniel's Band
  • O Movimento de Santidade tem a formação de vários grupos cristãos, incluindo:
Se houve em algum momento boa intenção neste movimento, ele se perdeu completamente nas primeiras décadas do século XX, sobretudo ao iniciar o movimento neo-pentecostal e o tele-evangelismo.

15 comentários:

  1. OLÁ JORGE.
    MUIIIITO BOM.
    QUER DIZER QUE FALAR EM LÍNGUAS É TRUQUE? NÃO VALE NADA? ELES CONTINUAM FALANDO EM LÍNGUA E DIZEM QUE É O ESPÍRITO SANTO, MAS O ESPÍRITO SANTO DEVERIA FALAR NOSSA LÍNGUA PARA QUE POSSAMOS SABER O QUE ELE ESTÁ QUERENDO DIZER.

    EM TEMPO: MALAFÁIA FEZ PLÁSTICA.

    ABS DO BETO.

    ResponderExcluir
  2. Olá Beto!
    Desta vez você nem esperou eu corrigir os erros de português e colocar as legendas nas fotos..rs..rs.
    Obrigado pela assiduidade.
    Falar em outros idiomas é possível, porém não nos termos em que o pentecostalismo e o neo pentecostalismo propõe.
    Quanto a falar línguas incompreensíveis dizendo que é linguagem angelical ou coisa parecida,o próprio Paulo de Tarso ficou confuso com a validade disso, declarando que seria a MENOR dentre as graças, os dons conferidos pelo Espírito Santo.
    A glossolalia Beto, pode ocorrer. Já existiram casos bem documentados.
    Mas não da maneira como se tenta enfiar na goela do público hoje em dia.
    Um forte abraço.

    ResponderExcluir
  3. Execelente postagem.
    Infelizmente o movimento pentecostal não se rende diante dos fatos bíblbicos e históricos, e por isso se alimentam e vivem de experências que julgadas a luz da Bíblia perdem sua razão de ser.
    O Pentecostalismo,Iniciando como movimento sério, porém, se perdeu em seus devaneios.
    Abs.

    Mano meu novo blog é tcassimiro.blogspot.com
    Seja um seguidor e me ajude a divulga-lo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Pastor Taciano Cassimiro,
      Por esses motivos, denuncio sempre os tele-evangelistas.
      Será um prazer ser mais um de seus inúmeros seguidores em su novo blog e divulgá-lo.
      Um Abraço,
      O Rescator.

      Excluir
  4. Eu já havia lido sobre o "Avivamento da Rua Azuza",mas não sabia que esse era o "Ponto Zero" do Pentecostalismo.
    Esses fenômenos grandiosos,assim como flashes e fogos de artifício,atraem as pessoas e depois elas se encantam pela facilidade com que a "salvação" é vendida.
    Gostei muito do texto e estou aprendendo bastante com as suas postagens.
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito Obrigado Nina, espero que você volte sempre ao Blog O Rescator.
      Beijão

      Excluir
  5. Eu já havia lido sobre o "Avivamento da Rua Azuza",mas não sabia que ele era o "Marco Zero" do Pentecostalismo.
    As pessoas gostam dessas manifestações performáticas,mas acho que o que mais as atrai,é a facilidade da salvação.Muitas das vezes a salvação oferecida é dupla: Um lugar garantido no céu e um bom padrão de vida na terra.
    Gostei muito do texto,e tenho aprendido bastante com as suas postagens.
    beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nina, o caminho para a salvação é estreito e o da perdição e largo.
      As pessoas querem mágica e não prática.
      Ser cristão é a prática de vida mais difícil que existe.
      Beijão

      Excluir
  6. gostei muito do testo,tenho aprendido bastante com as suas postagens. parabens bjosss !!!!!!!! MARINA VALLE

    ResponderExcluir
  7. Au ler tudo o que foi escrito aki, me faz refletir no tocante ao dia de pentecoste em atos.2 e ,em atos.19, irmão creio que orar em linguas n é a unica evidencia do batismo no Espirito santo, mas bem soubemos atraves da Biblia que é a palavra de Deus, que assim foi com os Apostolos e é necessaro que seja assim conosco, sinto muito dezaponta-lo mais eu creio na doutrina do pentecostalismo de azuza e é de Deus sim, sei que o diabo ja s aproveitou dessa doutrina, mais ainda creio que vamos voltar a um reavivamento igual em Angola em 2013, vem ver e tira as tuas propias conclusões e para de pecar contra a manifestação do Espirito Santo. é claro que tem que ser acompanhada com um discipulado nas Santas Escrituras ao pe da letra ,mas a culpa é do orgulho do homem, se focemos 1 em Cristo como antes no tempo dos Apostolos estariamos comprometidos com o evanjelho da nGraça de Cristo e n com o evanjelho da trve do olho do irmão que esta a propagar o evangelho puro e amoroso como Jesus. para com isso pastor vai se preocupar com os drogados nas favelas e ganha o mteu tempo a conquistar os pobres e desgraçados e para de xatiar o avivamento que comessou muito antes de nasceres e viva o prezente QUE Deus ainda tem mito mais pra te dar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado sr. Anônimo,
      Em primeiro lugar, eu não sou seu irmão. O sr. é adepto das doutrinas do inimigo, e eu sou irmão em Cristo.
      Se o sr. é adepto de falar em língua de satanás (como ficou evidente aqui o Satanás nem ao menos deixou o sr escreve o nome EVANGELHO corretamente. O sr, não lê a Bíblia, o sr. só ouve falar da Bíblia pois o sr. mal sabe escrever portanto posso crer que o senho igualmente mal saiba ler.
      Atos dos Apóstolos fala o que aconteceu com os Apóstolos e só pessoas arrogantes, presunçosas como os seguidores do inimigo da humanidade são; querem convencer os humildes e ignorantes de que isso pode acontecer com qualquer pessoa.
      Se o reavivamento da Rua Azuza fosse obra de Deus, não teria acontecido o que aconteceu com seus participantes. Mas o sr está por demais impregnado de espíritos imundos para ler e entender o texto.
      O Diabo criou essa doutrina e o senhor a segue até hoje.
      Se o senhor leu o texto sabe o que aconteceu em Angola.
      Alás aconteceu neste ano de 2012 e não em 2013 ano que ainda não começou, mas Satanás que se apoderou do seu espírito não deixa o sr ter noção do tempo e do espaço. O Sr. está totalmente tomado e virou servo do diabo.
      O Espírito Santo não se manifesta dessa forma, muito menos em programas de auditório de TV. Jesus disse: Tudo pode ser perdoado, menos quem blasfema contra o Espírito Santo e é o que o senhor está fazendo. O sr arderá nas chamas da geena.
      Quer dizer que o sr, está sugerindo que façamos ao contrário do que o Apóstolo Paulo ensinou? O sr. é um herege, que segue hereges.
      Quem é o sr para me dar ordens?
      Eu escrevo e alerto as pessoas contra o seu mestre Satanás e seus seguidores como o sr é.
      O sr não sabe o que eu faço para ajudar as pessoas. O sr eu duvido que faça algo, visto que o senhor é comandado pelo mal.
      Acho que o sr deveria ler mais a Bíblia e procurar uma padre ou um pastor sério para se aconselhar e quem sabe se livrar (enquanto ainda há salvação para a sua alma) dos ensinamentos de Satã.
      Deus tenha piedade de sua alma.

      Excluir
    2. Seu post veio quebrar o misterioso silêncio que os líderes dos movimentos pentecostais fazem sobre a origem do pentecostalismo tal como ele vem sendo praticado na maioria das igrejas pentecostais e neo pentecostais. Ao prometer aos seus discípulos enviar o Espírito Santo Jesus disse que eles receberiam poder para serem suas testemunhas, o que equivale dizer que estariam aptos para representá-lo tanto através da pregação do evangelho fazendo discípulos e ensinando-os a guardar todas as coisas que Ele mandou (convém que seja nada além e nada aquém disso) seja realizando as obras que Ele realizava. Portanto não tem nada a ver com os exageros que praticam. O fato é que pentecostalismo (como o próprio nome diz) massificado que mobiliza massas mas não podem mobilizar corações e mentes... Que mexe tanto com o nosso emocional mas não no nosso racional não pode ser comparada ao Pentecostes descrito no livro de Atos. A intenção dos pentecostais e neo pentecostais pode ser boa mas os resultados estão longe de ser o que a igreja primitiva experimentou. Ótimo artigo. PARABÉNS!

      Excluir
  8. É como existe pessoas que tem o artífice de fabricar histórias, você está muito mal informado sobre o pentecostalismo, ele é um grande avivamento e existe até nas igrejas históricas.
    Sugiro que se convertas, tu és como a igreja de Sardes estas morto, vocês trabalham tão duro para fazer Deus pequeno o suficiente para caberem em sua mentes, agora O descobre pequeno demais para saciar suas necessidades. Vocês
    estarão entre os mais surpreendidos em serem deixados para trás quando os eventos do Tempo do Fim se desenrolarem.

    ResponderExcluir
  9. é sempre bom agente ler sobre assuntos relevantes como o pentecostalismo,mas eu vendo a resposta do dono do blog para uma oposição ao seu estudo,percebo que as respostas foram distantes do que a bíblia nos ensina 1pe.3,15 que diz que devemos responder com tremor e temor a qualquer que pedir a razão esperança que há em nós; Então o dono do blog poderia usar os seus conhecimento para da uma resposta bíblica ,clara e acima de tudo demonstrando amor,entendo que podemos ser questionados e,mesmo assim ser educado.a paz a todos

    ResponderExcluir

Escreva seu comentário no espaço abaixo.
Obrigado.